terça-feira, 12 de maio de 2015

Blemya 15 anos

Historia da Blemya  - Luiz Pagano & Mauricio Bozzi - importação de vodkas da Russia
Веда – русская водка
O que é Blemya? 

No ano de 1271, Marco Polo um mercador veneziano fez uma viagem de 24 anos para a Ásia Central, desses ele passou 17 anos somente na China controlada pelos Mongóis e serviu como um enviado estrangeiro especial para o grande Kublai Khan - Provavelmente, não tinha idéia de que suas aventuras mudariam o mundo.

Ao retornar, Marco não trouxe grandes riquezas pessoais, apenas algumas bugigangas, um punhado de pérolas e presentes para a família e os amigos. Mas o grande tesouro não estava limitado a esses bens materiais - era muito maior do que isso, ele trouxe "Il Milione".

'Il Milione' o italiano para Million, foi o nome do livro detalhando os acontecimentos da viagem. Entre seus contos, os leitores encontrarão relatos precisos dessa terra desconhecida, como a idéia de papel-moeda, as massas, um grande sucesso na culinária italiana até hoje, entre outras coisas.

Mas lá também podemos encontrar alguns eventos sobrenaturais absurdos e um bestiário surpreendente, incluindo homens com características de cães, águias capazes de voar carregando elefantes e 'as Blemias’ - criaturas sem rosto com seus traços faciais no peito.

Nos dias atuais a superfície do planeta não representa mais um grande mistério, em média, mais de 8 milhões de pessoas estão voando por todo o planeta, nós mapeamos cada centímetro quadrado de terra - a globalização, que cresceu maciçamente nos anos 70 e 80 nos trouxe grandes benefícios, mas ainda assim, alguns grandes monstros estão à solta - xenofobia, racismo, discriminação entre os sexos, entre outros.

Ignorância parece ser o líder desses monstros, é o pior de todos juntos - precisamos de um monstro bom, maior, mais forte, capaz de superar a ignorância e todos os outros monstros.

Assim, com a presença deste monstro eficaz, chamado ignorância, criamos um herói mais eficaz: Blemya.

Blemyas pertencem a uma raça que evoluiu dos humanos, há apenas seres assexuados na tribo, e eles são indivíduos de intelecto brilhante e moral elevada.

Todos são tão espertos que conseguiram sobreviver em segredo do resto da humanidade por milênios, ajudaram a humanidade a alcançar o fim das guerras mundiais e nos livrarem de um armagedom nuclear, mas o trabalho que têm pela frente é enorme....

Blemyas tem apenas um ponto fraco, como seres assexuados, a única maneira de fazer a população Blemyas crescer é:

Mantenha todas as situações pacíficas;

Esforce-se para conhecer a si mesmo - descubra qual é a sua melhor versão e seja essa pessoa;

Não há como mudar o passado, mas, a partir de agora, só tome decisões que façam com que você tenha um Karma mais feliz;

Não julgue pessoas e situações;

Veja as coisas da perspectiva da outra pessoa - pratique a empatia;

Levante-se acima;

Mantenha-se sempre atualizado com o Blog Blemya (www.blemya.com)

Você conhece o resto ...

Nossa história 

No ano de 1997, me associei a Mauricio Bozzi, um grande vendedor e um grande amigo para criamos uma empresa especializada na colocação de produtos com algum tipo de dificuldade de introdução de produtos no mercado, a Bozzi & Pagano.

read this article in English

O começo foi bem prospero, tínhamos a representação da linha de fogões industriais da Dynamic Cooking Systems, concorrente da também americana Viking e também terceirizávamos a equipe comercial do energético austríaco Flash Power, enquanto essa categoria ainda não tinha uma legislação especifica no Brasil, os negócios iam de vento em poupa.

Nos sentíamos privilegiados por termos tanta sorte nos negócios, viajamos, estávamos sempre em festas e encima de grande felicidade discutíamos como nosso mudo poderia ser melhor.

O Mauricio era um cara muito empreendedor, com foco em ganhar dinheiro, mas também curtia ajudar amigos em necessidade. Era comum nos juntarmos para fazer volumosas compras em um supermercado para amigos desempregados, ou juntarmos roupas para doações. Em 2008 vivíamos o boom dos energéticos, ganhávamos mais dinheiro do que precisávamos e passamos a dedicar parte de nossos ganhos para ajudar amigos necessitados.

Blemyas ao passar dos anos

Devido a uma certa imaturidade de nossa parte na época, nos escondíamos de nossas esposas esses ‘gastos com amigos’ e cada vez que elas perguntavam sobre onde estava dada quantia em dinheiro que tínhamos ganhado, dizíamos que uma ‘mosntrinha’ o havia devorado, dando a entender que havíamos gasto com uma possível amante.

Algum tempo depois, o Mauricio passou a trabalhar como empregado da Flash Power e eu tentava manter viva a empresa Bozzi & Pagano por minha própria conta. No mês de abril do ano 2000 tentávamos introduzir uma cachaça multidestilada no mercado brasileiro, bem como tentávamos exportá-la para alguns países que tínhamos contato, mas os negócios não iam bem. Ao levar a cachaça para um chef de cozinha francês aqui em São Paulo, sua avaliação foi frustrante:

“Você só está trabalhando com essa cachaça?” perguntou o chef, respondi que sim e ele então rebateu “essa cachaça é horrível, você não terá futuro nenhum com ela. Vou te indicar para uns amigos meus, que iniciam um negocio bem legal aqui no Brasil”.

E assim, numa segunda feira, 08 de maio de 2000 comecei a trabalhar como empregado na introdução da Veuve Clicquot no Brasil. Na quinta feira da mesma semana, fui tomar uma cerveja com o Mauricio para comemorar.

Ele ficou muito contente em me ver trabalhando com essa marca e também com a ajuda que o tal chef de cozinha havia me dado. Na mesa do bar, falavamos também sobre a empresa de cachaça, que tinha poucas chances de sucesso no formato em que se encontrava e cuja um dos sócios era parente de Antoninho da Rocha Marmo, uma criança santificada, responsável por inúmeros milagres na cidade de São Paulo.

Relembramos das diversas pessoas que tínhamos ajudado em épocas prosperas e decidimos que se um dia voltássemos a prosperar de novo, dedicaríamos parte de nossos ganhos para pesquisa e desenvolvimento de mecanismos inteligentes de ajuda humanitária, e assim, nossa monstrinha passaria a viver novamente.

Nesse instante lembrei-me de um sonho que tive, sobre uma viagem que fiz junto com a família de Marco Polo, na qual encontramos uma cidade futurística de Blemias, monstros sem cabeça que tinham suas faces no tórax.

As Blemias faziam parte de uma raça que havia evoluído dos humanos, só existiam mulheres na tribo, eram portadoras de intelecto brilhante. Em meu sonho, elas eram tão inteligentes que conseguiam sobreviver em segredo do resto da humanidade por milênios, em uma cidade nas alturas com um engenhoso projetor de hologramas que disfarçava a cidade inteira em uma montanha.
Sonho com as Blemyas - Agenda de Luiz Pagano, pagina de 11 de maio de 2000

Esse seres haviam ajudando a humanidade a chegarem no fim das guerras mundiais e a se livrarem da guerra fria nos anos 80 e 90 – a reprodução das blemias, mesmo em meu sonho, também era um mistério.

Decidimos que o nome dessa empresa de grande beneficio social seria Blemia, nada mais apropriado para uma empresa voltada ao comercio exterior, tal como Marco Polo foi, ter uma blemia, como mascote institucional. A blemia ou Blemya, como passamos a escrever, seria a empresa cuja mística de bondade em nossa sociedade seria tão grande como a do menino santo, Antoninho da Rocha Marmo.

Em 2007 eu criei um blog para a empresa, Bozzi & Pagano e também para a Blemya, já que não conseguíamos tirar a Blemya do papel ela passaria a viver virtualmente.

Meu sócio faleceu em dezembro de 2010 e nunca conseguimos reviver a Blemya em sua forma plena, ao menos na concepção que tivemos naquela quinta feira. Mas a Blemya vive – o Blog já teve perto de 200 mil acessos e grande parte de nossas idéias, algumas delas pioneiras são amplamente discutidas na internet.
Como vimos, as Blemyas existem apenas em um gênero, o feminino. A reprodução do Blemias não é mais um mistério, isso acontece quando um homem (a forma masculina para 'humanidade') ajuda outros de forma genuína.

Para mim é um grande orgulho continuar com esse projeto, eu tenho certeza que um dia viveremos em uma sociedade de pós-escassez, em que as religiões vão respeitarem umas as outras, dentro do princípio do omnismo, que vamos entender que o conceito de resíduos não existe e que a nossa proposta máxima, a de que somos indivíduos que devem interconectarem-se uns aos outros, neste planeta, com o espírito de fraternidade e ajuda mútua.

Nenhum comentário:

Blemia Powered by Google

Google