terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

Itagenemimética a ciência e a arte de aprender com povos ancestrais

Luiz Pagano apresentando o Cauim no Bar Convent de São Paulo - Junho/2019 - 
Nos últimos anos venho dedicando minhas atividades às funções de artista e cientista, principalmente no que se refere ao CAUIM, bebida alcoólica fermentada de mandioca, consumida por mais de 270 etnias indígenas brasileiras, que eu quero trazer para o grande publico na forma de uma bebida industrial, (com garrafa bonita e tudo) produzida com processos sofisticados, com grandes similaridades ao saquê. Essa iniciativa tem o grande propósito de fazer com que sintamos orgulho de sermos brasileiros de origem Tupi - sonho com o dia em que todos nós, brasileiros e/ou estrangeiros, poderemos comer os pratos sofisticados de Alex Atala ou Tiago Castanho harmonizado com Cauim dos Yekuanas ou dos Waurás, embalados na 'Tupi Pop Culture'.

Esse trabalho me fez pesquisar a vida e modos de nossos povos ancestrais de uma maneira única, enxerguei possibilidades variadas de cultura prospera, de boa indole, feliz e completamente amiga da natureza e do planeta.

Talvez não consiga transmitir a grandeza do que sinto em relação ao assunto, mas seguramente isso não me impede de tentar.  Nós somos tão educados na cultura européia, que achamos que esse é o único "idioma cultural" do mundo, mas as coisas começam a mudar e a cultura da floresta começa a se revelar imprescindível para nossa sobrevivência no planeta.

read this article in English

Em 2015 Davi Kopenawa da etnia Ianomâmi, que tem sido chamado de ‘Dalai Lama da Floresta’, acompanhado por Fiona Watson, Diretora de Pesquisa da ONG Survival International, e especialista mundial em tribos isoladas. deram entrevistas para a imprensa americana e várias palestras em e ao redor de San Francisco, falando sobre o incansável trabalho para proteger a terra de sua tribo na Amazônia, e de como essa experiência pode se aplicar para o mundo.

Não é de hoje que a floresta amazônica tem sido reconhecida como um repositório de serviços ecológicos, não só para as tribos e as comunidades locais, mas também para o resto do mundo. É também a única floresta que nos sobra em termos de tamanho e a diversidade.

Sua continua queima e o aquecimento global se agravam, a saúde das florestas tropicais está intimamente relacionada à saúde do resto do mundo e o impacto do desmatamento na Amazônia continua a desfazer gradualmente os frágeis processos ecológicos que foram refinados ao longo de milhões de anos.

A solução para essa questão de como encontrar o equilíbrio necessário para a sobrevivência da floresta e conseqüentemente do planeta, não pode ser encontrado na ciência em si, mas sim na ciência aliada a questões filosóficas de povos locais, como os Ianomâmis.
Para os Ianomâmi o mundo é dividido em dois grupos de indivíduos, a dos YANOMAMI THËPË (seres humanos, gente) e a dos NAPË (nos, homens brancos, os inimigos os ‘ferozes’)

Os ianomâmis já foram tidos como um povo ‘feroz’ na sensacionalista e atrasada obra Yanomamö: The Fierce People (Yanomamö: O Povo Feroz), de antropólogo americano Napoleon Chagnon, que os descreve como “manhosos, agressivos, e intimidadores” e até hoje é tida como a bíblia do recém graduado de antropologia, levando o resto do mundo a idéias cada vez mais preconceituosas.

O bom é que isso vem mudando com o tempo, e passamos a ouvir cada vez mais a sabedoria do povo da floresta - do ponto de vista Ianomâmi o mundo é dividido em dois grupos de indivíduos, a dos YANOMAMI THËPË (seres humanos, gente) e a dos NAPË (nos, homens brancos, os inimigos os ‘ferozes’).

A floresta não se queima por si só e os rios não se auto-poluem, são os NAPË que o fazem.

A poluição de rios é reflexo de uma postura ativa dos NAPË, se deixarmos de jogar poluentes nos rios Tiete e Pinheiros no perímetro urbano, por exemplo, teríamos os rios limpos em questão de semanas. De fato, nós os NAPË somos proativos em poluir e devastar, direta ou indiretamente, consciente ou inconscientemente.

Se perguntarmos a um índio Ianomâmi, o que ele acha do homem branco - NAPË, acabamos por ter vergonha de sua resposta.
Nadar na imensidão dos rios Amazonas e Tocantins me fez entrar em contato espiritual com a cultura YANOMAMI THËPË. O homem branco se considera único e diferente dos outros seres ao seu redor, - Os NAPË vivem sob o conceito de ‘silêncio dos espaços infinitos de Blaise Pascal’, estamos sozinhos, em um monologo. Os Ianomâmis não, eles são capazes de amar e dialogar com tudo e com todos ao seu redor.

De acordo com os índios Ianomâmis, o NAPË, não pensa em nada, não ama a terra, não ama a floresta, tem uma visão egoísta, inconseqüente e de curto prazo. Os conceitos dos Ianomâmis parecem ser muito mais elevados e muitas vezes de difícil concepção para nossa cultura, por isso resolvi classificá-los em grupos:

O conceito de ‘ser vivo’

O ‘ser vivo’ dos Ianomâmis é o que tratamos como ‘gente’, expresso como YANOMAMI THËPË.

O NAPË (homem branco) parece se importar apenas com ele mesmo e em nível secundário, com seus familiares diretos. Esse sentimento tende a diminuir com seus vizinhos e familiares distantes e são quase inexistentes para as outras pessoas do mundo, mas o lado positivo é que ele adota animais de estimação e isso parece ser um pequeno indicio de amor a outros ‘seres vivos’ que não pertença a classificação de Homo sapiens .
Os Ianomâmis são capazes de dialogar com tudo e com todos ao seu redor.

É muito comum ver índias amamentando seu bebe em um dos seios e um macaco, ou outro animal no outro, cena que causa incompreensão e repulsa ao homem branco que a presencia pela primeira vez. Para os índios esses animaizinhos também são ‘gente’ e tem direito ao leite materno, que não é da mulher mas sim da natureza.

Toy Art Yanomami


O homem branco se considera único e diferente dos outros seres ao seu redor, - Os NAPË vivem sob o conceito de ‘silêncio dos espaços infinitos de Blaise Paschoal’, estamos sozinhos, em um monologo. Os Ianomâmis não, eles são capazes de dialogar com tudo e com todos ao seu redor.

Para eles, quase tudo é ‘ser vivo’, ou ‘gente’ – o animal é gente, a planta é gente e até mesmo alguns artefatos também são tidos como gente, e essa ‘gente’ toda jamais deveria ser incomodada, e muito menos ofendida.
É muito comum ver índias amamentando seu bebe em um dos seios e um macaco, ou outro animal no outro, cena que causa incompreensão e repulsa ao homem branco que a presencia pela primeira vez. Para os índios esses animaizinhos também são ‘gente’ e tem direito ao leite materno, que não é da mulher mas sim da natureza.

Para os Ianomâmis, ninguém gosta de ser ofendido e cada vez que isso acontece, o ofendido se manifesta contra o ofensor.

Dessa forma, surgem algumas conseqüências e indagações, tais como:

- O que acontece se matamos um animal para comer? – matar um ser vivo é uma ofensa muito grave, mesmo que este tenha o titulo de YARO (animais de caça). isso não os impede de matar os YARO, mesmo conscientes de que sua morte terá conseqüências.

Eles pensam, “ao matarmos esses seres, aguarde pela reação que pode se manifestar de diversas formas, pode ser pequena indigestão, ou até mesmo na forma do ataque de outros animais do grupo, por exemplo de onças, parceiras do animal morto.

O conceito de ‘propriedade’ 

Nós não temos terra, a terra é que nos tem. A propriedade aos bens físicos é intangível posto que nossa matéria é perecível. Tais posses podem levar ao sofrimento (tal como no budismo).

- a Amazônia é importante pois dela vem o conhecimento que devemos ter para superarmos a crise civilizatória, de degradação do ambiente.

O conceito de ‘Evolução’

Os NAPË estão num estado de evolução inferior aos YANOMAMI THËPË  (os próprios ianomâmis), porem existem seres mais evoluídos, como os YAI, seres da floresta isentos de nome.

É nessa hora que o leitor fica indignado - como eles podem nos achar mais atrasados que eles?

Existem diversas formas de nos fazer ver o quão pouco evoluídos somos em comparação, por exemplo a questão do lixo.

Na natureza, o lixo de qualquer ser vivo se incorpora como utilidade para outro ser vivo (eg.  as fezes de mamíferos viram fertilizantes para plantas, o oxigênio expurgado pela arvore vira o ar que respiramos, etc.). Nós os NAPË, produzimos uma enorme quantidade de lixo que mais prejudica do que ajuda outros seres vivos.

A relação dos YAI com os YANOMAMI THËPË e com os NAPË é a mesma que nos, homens brancos, temos com as amebas.

O homem tem percepção de 4 dimensões, capacidade de raciocinar sobre os acontecimentos ao seu redor, lê livros, constrói pontes e observa as amebas no microscópio. As amebas por sua vez vivem num mundo muito mais limitado, tem diminuta capacidade de percepção que as possibilitam apenas comer formas vivas ao seu redor, não são capazes de ler nem, muito menos de construir pontes.

Os YAI nos observam como nós, homens observamos as amebas, sem que sequer nos demos conta. São infinitamente superiores e transitam por dimensões ainda inconcebíveis para nós.

O conceito de ‘URIHI’ - palavra Ianomâmi para floresta, ecossistema

A palavra yanomami UHIRI designa a floresta tudo que nela habita, com conexões e inter-relações infinitas, IPA URIHI, "minha terra", pode referir-se à região de nascimento ou à região de moradia atual do enunciador. URIHI pode ser, também, o nome do mundo: UHIRI A PREE, "a grande terra-floresta".
Nós os NAPË, somos a única espécie do planeta que produzimos lixo sem que esse entre em equilíbrio com o ecossistema.

A floresta amazônica é a maior região de floresta continua do planeta, corta nove países, corresponde a 60% do território brasileiro, quase 6 milhões de km2. O Rio Amazonas tem 6.800km de extensão, 105km a mais do que o Nilo de acordo com a medição de 2007, nele se encontra 20% da água doce do mundo.

Atualmente 18% da floresta já foi devastada, essa devastação aparece na forma de Pecuária extensiva e de baixa inteligência, propriedade ilegal, garimpo irregular.

Parece pouco mas 1% de área devastada, o mesmo índice de desmatamento em 1975, 60mil km2 é maior do que o estado do Rio de Janeiro ( aprox. 43.000km2).

O Brasil pode ser muito ruim no que diz respeito com o trato com os rios de suas capitais principalmente devido a corrupção e motivos eleitoreiros, mas trabalhos isolados na Amazônia chamam a atenção pela genialidade.

O conceito de Itagenemimética ou itagenemimicry 

Você sabia que os europeus aprenderam o habito de fumar ervas com os índios americanos? Talvez a industria do cigarro tenha sido a primeira a usar do conceito de Itagenemimética (a arte/ciência de aprender com povos indígenas e tradições ancestrais). É importante que se diga que o cigarro que conhecemos hoje, causador de mortes e doenças sofreu uma serie de modificações para pior desde sua adoção inicial ou melhor dizendo, foi sem duvida uma adoção de habito degradativo vinda de nossos ancestrais. Ma a grande maioria dos hábitos que adquiríamos deles no entanto, como dormir em rede, tomar banho todos os dias e beber o guaraná, tem sem mostrando muito saudáveis.

A biomimética* juntamente com a itagenemimética**, são as melhores e mais eficazes ferramentas de aprendizado que nossa civilização pode fazer uso atualmente - quanto ao Itagenemimética, creio que foi eu quem inventou essa palavra numa de minhas palestras, mas faz todo sentido (rsrsr)

O homem civilizado vem se distanciando cada vez mais de seus irmãos que vivem nas tribos, os hábitos degradativos dos civilizados parecem ser muito piores do que o dos indígenas, dispersar plástico no planeta e emitir CO2 são alguns deles.

Os indígenas que conheço dizem que os civilizados são muito burros, nos fazemos coisas que nenhum animal faz, nós defecamos na água que bebemos. É evidente que com o nosso atual nível de desenvolvimento cultural, viver em tribos e abandonar os bens materiais e conquistas que tivemos poderia ser tido como uma involução, no entanto prestamos cada vez mais atenção no que eles tem a nos dizer.

*Biomimética ou biomimética é a imitação de modelos, sistemas e elementos da natureza com o objetivo de resolver problemas humanos complexos (grego: βίος, life e μίμησις, imitação, de μιμεῖσθαι, para imitar, de μῖμος, ator).

**Itagenemimética ou itagenemimicry é a imitação de modelos, sistemas e elementos adotados por comunidades ancestrais ou povos indígenas com o objetivo de resolver problemas humanos complexos (grego: ιθαγενείς, itageneis - povos indígenas e μίμησις, imitação, de μιμεῖσθαι, para imitar , de μῖμος, ator).

Não podemos colocar uma cúpula de proteção sobre a Amazônia

A proteção ambiental só pode acontecer se não se opor as enormes forças econômicas, portanto temos que atribuir valor para floresta em pé, e não desmatada.

Tudo que temos que fazer é usar a inteligência YANOMAMI THËPË para nos guiar. Mais dia, menos dia, as arvores muito velhas caem naturalmente como parte do processo de renovação, parte do ciclo natural da floresta. Se bem monitoradas, essas arvores podem ter suas quedas administradas por agrônomos legais e sua madeira pode ser utilizada com mais inteligência.

Um tronco de uma sumaumeira centenária vale pouco mais de R$10,00 no mercado negro, enquanto que um belo artesanato feito com pouco mais de 50 cm de comprimento da mesma arvore pode chegar a valer R$ 300,00.

Este é um bom exemplo de como transformar uma atitude NAPË em YANOMAMI THËPË
Ciencia aliada a filosofia Yanomami  -  A nossa única saída para salvar o planeta. Um veiculo de baixo impacto em destruição do solo corta uma samaumeira, num processo de renovação inteligente da selva Amazônica.

Creio que o grande fato gerador dos problemas da Amazônia atual foi o PIN, Programa de Integração Nacional, programa de cunho geopolítico criado pelo governo militar brasileiro através do Decreto-Lei Nº1106, de 16 de julho de 1970, assinado pelo Presidente Médici.

Preocupados em perder o vasto território amazônico pela dificuldade de monitorar suas fronteiras, o governo militar propôs realocar as vitimas da improdutividade das regiões de seca nordestina e transformá-los em mão de obra na prospera região amazônica, dessa forma ocupar os vazios demográficos amazônicos, "integrar para não entregar" e "terra sem homens para homens sem terras" foram as palavras de ordem da época.

O PIN teve o maravilhoso mérito de mobilizar o sentimento nacionalista, independentemente de visão política e promover a colonização da Amazônia.

A rodovia Transamazônica foi a ferramenta escolhida por Médici como via de acesso à floresta. Com 4 223 km de comprimento, ligando a cidade de Cabedelo, na Paraíba à Lábrea, no Amazonas, a estrada corta sete estados brasileiros: Paraíba, Ceará, Piauí, Maranhão, Tocantins, Pará e Amazonas.
Num futuro próximo o sistema agro-florestal poderá ter a ajuda de drones coletores para promover agricultura de baixo impacto ambiental. No sistema agrícola de hoje nós desmatamos as florestas para depois plantar, com o propósito de limpar o terreno e assim, facilitar a entrada das nossas antiquadas maquinas agrícolas - com o advento dos drones coletores não precisaremos mais levar a cabo um processo tão pouco inteligente. 

Ao lado da estrada algumas rotas surgiram, e dessas outras ruas pequenas, ligando as fazendas, comunidades e casas - a chamada espinha de peixe, é a causa para a ocupação irregular e o consequente desmatamento.

O homem do nordeste, em sua grande maioria, junto com outros de outras regiões do Brasil e do mundo, que lá chegaram encontraram grande facilidade em ter cabeças de gado, posto que para se obter a posse da terra eles somente tinham que transformar 50% de suas terras em pastagem.
Um sistema de inteligencia artificial avalia as frutas e hortaliças por meio de sensores bem mais sofisticados que nossos olhos, braços robóticos colhem as frutas e as colocam numa cesta circular, a bordo de um drone coletor.

Hoje existem 60.000.000 cabeças de gado na Amazônia, uma relação de 3 bois para cada habitante da região.

Como mudar a filosofia NAPË em YANOMAMI THËPË?

Nós NAPË olhávamos a floresta como mato não como fazenda, se quisermos plantar algo ali, temos que desmatar para depois plantar, mas índios locais inspiraram um grupo de japoneses a criar os chamados SISTEMAS AGRO-FLORESTAIS.
Hajime Yamada chegou em Tomé-Açú no dia 22 de setembro de 1929, aprendeu com os indígenas a tecnologia do sistema agro-florestal, nós sempre olhamos a floresta como mato não como fazenda (foto: documentário Amazônia Eterna) - nt na caligrafia 永遠のアマゾン - Amazonia Eterna

Um grupo de imigrantes japoneses chegou ao município de Tomé-Açu, no Pará, no fim da década de 1920 com proposta de plantar da pimenta-do-reino, Nos anos 70 com a queda dos preços e epidemias nos pimentais fez com que repensassem seu negocio.

Baseado em antigo conhecimento indígena, eles passaram a cultivar a pimenta-do-reino no mesmo espaço do cacau, bem como com o cupuaçu, mamão, açaí, coco, maracujá, castanha-do-pará, borracha natural e paricá. A praga dos pimentais foi combatida por predadores locais, trazidas pelas outras plantas, em equilíbrio com a natureza.

De lá para cá, o sistema foi aperfeiçoado na base da tentativa e do erro para a escolha das melhores combinações de espécies. Hoje, Tomé-Açu é referência nesse tipo de plantio e a cooperativa acumula diversos prêmios relacionados a empreendedorismo e sustentabilidade.

Além disso, a CAMTA promove e orienta a adoção dos sistemas agro-florestais para agricultura familiar em municípios vizinhos e realiza a comercialização dessa produção, um projeto que atende cerca de mil famílias da região.
Robos de extração de látex funcionam de forma autonoma, abastecidos com a luz do sol. As 'estradas de seringa' (os riscos feitos na casaca das seringueiras) são precisos, pois contam com sofisticados sensores que fazem cálculos precisos para melhor aproveitar a extração. 

A idéia básica desse sistema agro-florestal é realizar o plantio integrado de diferentes espécies vegetais, de tamanho variado, juntas em uma mesma área, formando diversos 'andares' – o processo recebe justamente o nome de agricultura em andares.

O sistema agro-florestal, conhecido dos povos indígenas já a muito tempo, oferece uma série de vantagens como:

- Como gera grande quantidade de matéria orgânica no solo proveniente de diversas culturas, há menos necessidade de adubos e agrotóxicos;

- Essa variedade de nutrientes gera alimentos mais saudáveis;

- A cobertura vegetal abundante também retém a umidade da terra, protege as plantações do Sol e proporciona um ambiente mais agradável para o trabalho no campo;

- O plantio de diversas culturas ao mesmo tempo permite a produção continuada e gera renda durante o ano todo.
Parte importante da filosofia YANOMAMI THËPË é que 'lixo não existe', não podemos jogar nada fora (fora de onde? do planeta?). Isso posto, todos os equipamentos são 100% reciclados para produção de novos equipamentos, substancias que não podem ser utilizadas em outros equipamentos são reintegradas na natureza por compostagem. Todas instalações tem imensas claraboias pois 80% dos equipamentos funcionam com energia solar.

Depois de tanto tempo catequizando nossos índios de acordo com heranças culturais européias, agora  chegou a hora de nos catequizarmos nos moldes do povo da floresta, quem sabe assim poderemos salvar nossas almas e nossas vidas.

domingo, 7 de abril de 2019

Cauim Tiakau o primeiro cauim 100% de mandioca do mercado de bebidas alcoólicas

Garrafa do CAUIM TIAKAU de 330ml.

A última vez que um brasileiro, não pertencente a uma tribo indígena tomou o CAUIM, como bebida cotidiana, provavelmente foi na época dos bandeirantes, o velho diabo 'Anhanguera' no ano de 1682, ou o velho Raposo Tavares em meados de 1650… Nunca saberemos. Desde então, uma ou outra dose é servida a turistas ou visitantes convidados de alguma tribo indígena. mas essa historia mudou no dia 29 de novembro de 2018, quando o Café da Casa, um charmoso café localizado na Rua José Maria Lisboa, 838, no bairro dos Jardins em São Paulo, passou a servir a garrafa do CAUIM TIAKAU, o primeiro CAUIM produzido em processo semi-industrializado a chegar no mercado.

Assista o video CAUIM DAS TRIBOS PARA TODOS OS BRASILEIROS

Foi um evento simples, intimista, sem nenhuma divulgação, mas de enorme importância cultural - Imagine que pudéssemos relatar com precisão o dia e as circunstancias em que o vinho foi servido pela primeira vez numa igreja, simbolizando o sangue de cristo, ou descrevermos em detalhes a data e horário da primeira purificação xintoísta feita com saquê…

Para chegar até esse dia, um reduzido grupo de pessoas se esforçou "mais do que prometia a força humana", comprometendo orçamentos familiares, fazendo experiências em seus quintais e manifestando amor por nossa gente, nossa pátria e historia - Quem relata os eventos é Luiz Pagano.

O CAUIM é uma bebida alcoólica produzida a partir da mandioca fermentada, por praticamente todas as mais de 305 etnias brasileiras, nossos ancestrais indígenas. Nossa proposta foi a de recriar a bebida, em reedição semi-industrial, respeitando a tradição ancestral, em processo que, por assim dizer, foi baseado no de produção do SAKÊ.

CAUIM TIAKAU servido no Café da Casa do Museu do Xingu e escritórios do Ponto Solidário
Em resumo, trouxemos a bebida ritualística tomada exclusivamente por indivíduos de tribos indígenas para ser consumida por todos nós brasileiros, como forma de reaproximação de nossas raízes mais essenciais, certamente respeitando nossa gente e a espiritualidade de nossa cultura fundamental - A cultura Tupi Antiga.

Como resultado dos esforços de um seleto grupo de profissionais do mercado de bebidas alcoólicas, líderes tribais e profissionais ligados aos estudos de nossas etnias, eu incluso, surge o CAUIM, a bebida alcoólica ainda mais brasileira do que a própria cachaça.
O controle das temperaturas é fundamental para se produzir um bom CAUIM

O CAUIM, bebida ritualística xamânica surge agora resignificanda, apta a ser consumida comercialmente - Trata-se de uma inédita categoria de bebidas, no seu mais absoluto começo.

É importante que se diga que ainda não existe a categoria de bebidas CAUIM - 100% FERMENTADO DE MANDIOCA legalmente, o produto que aos pouco botamos nos bares e prateleiras ainda entra no mercado enquadrado legalmente como BEBIDA MISTA por falta de leis específicas, em produção bem limitada, numa operação experimental, aguardando por investidores inovadores e outras oportunidades de crescimento.  O esforço para regulamentar a bebida está em andamento, demos a entrada em dois dos três métodos de produção do CAUIM no DIRPA - Instituto Nacional de Propriedade Industrial no dia 23 de junho de 2017, so quando for criada a categoria, poderemos registrar a marca e logo. Como bem sabemos, o processo para incubação de empresas e invenções de produtos no Brasil é burocrático, lento e desgastante - infelizmente :(.

Como disse anteriormente, existem tres Métodos para se produzir o CAUIM:

1-MÉTODO ÉTNICO
Processo ritualístico NÃO PODE SER USADO NA INDÚSTRIA;

2-MÉTODO ‘PAGANO’ - JAPONÊS
Processo no qual a dulcificação do amido é promovida pela ação do KOJI;

3-MÉTODO ‘SENA’ - ENZIMÁTICO
Processo no qual a dulcificação do amido é promovida pela ação direta de enzimas.
Professor Hido Sena e Luiz Pagano - parceria para resgatar a bebida mais emblemática e ancestral da cultura brasileira,
o CAUIM - O MÉTODO criado por Sena e seus alunos é sem duvida o melhor resultado já obtido.

Os povos indígenas no Brasil usavam enzimas presentes na saliva das Kunhã Makú (belas virgens das tribos), para quebrar amido da mandioca em açúcar, e posteriormente poder fermentá-lo. No Japão antigo fazia-se a mesma coisa com o arroz pelas chamadas virgens bijinshu (美人酒 - as belas mulheres do saquê), esse é o chamado Método Étnico.

Para poder produzir o saquê de forma mais segura, a aproximadamente 1000 anos atrás, adotou-se o KOJI ( 麹 菌 Koji-kin) nome dado ao microorganismo Aspergillus oryzae para promover a promover essa quebra de amido, esse processo também é usado para se produzir o CAUIM. Vale lembrar que nós, entusiastas do Tupi Antigo (falo um pouco mais sobre isso um pouco mais abaixo) nos sentimos compelidos a descrever os passos do processo de produção de CAUIM em Tupi Antigo, para reforçar o elo cultural histórico de nossos antepassados, igualando a importância do CAUIM à do saquê em rituais xintoístas e a do vinho eucarístico, fundamental no cristianismo, o CAUIM é alma ancestral religiosa de nossas etnias e culturas ancestrais.
Colocação de KOJI sobre as pérolas de Mandioca

No segundo Metodo, criado por mim (Luiz Pagano), a princípio faz-se o Mbeîu apó, ou o preparo do beiju,  (ou Mbeîu moakyma), sendo o beiju 100% feito de mandioca perolizada é embebida em água quente.

A seguir, segue o Sabẽ nonga (Colocação dos esporos) processo no qual o KOJI é colocado para atuar no beiju quebrando açucares, lipídios e protídeos para que a fermentação possa ocorrer. 

quando o 'Sabẽ mbeîu moe’ẽ' ( o esporo torna o beiju sápido) após os esporos crescem por 48 horas, teremos a matéria prima para fazer a fermentação alcoólica, chamada de Haguino.

O  Hauguino acontece de 30~35 dias em temperaturas baixas, (5ºC ~ 14ºC) num processo de Fermentação Múltipla Paralela, ao mesmo tempo que o açúcar se converte em álcool por meio de leveduras, o mosto residual continua a se converter em mais açucares, também havendo a quebra de lipídios e protídeos.
Instalações de fermentação usada para produzir as brassagens experimentais de CAUIM

Por fim fazemos o Mbeîu mogûaba (coar/peneirar o beiju) aqui nós separamos o CAUIM fresco do bolo de mandioca num ecológico, colocado em sacos de algodão, de 8 litros e e submetê-lo a uma leve prensa, tal qual se faz com o saquê.

Para o terceiro Método, 'Sena' enzimático, desenvolvido por Hildo Sena e seus alunos na FATEC DE ARAÇATUBA, o processo é bem mais simples, rápido e é o de mais baixo custo para se produzir. Nele o CAUIM é produzido usando-se apenas enzimas especiais em substituição ao KOJI, o que permite maior controle qualitativo de todo o processo, garantindo um perfeito CAUIM.
Para resgatar a cultura ancestral brasileira recorri ao ímpeto de preservação de tradições e tecnologias japonesas, me associei a uma Sommelière de Saquê, Hikaru Sakunaga (作永ひかる), contei com um grupo de estudantes de Tupi Antigo, alem de profissionais de fermentação ingleses e brasileiros. Acima um exemplo desse 'melting pot', um gráfico de progresso do KOJI, que ilustra muito bem a mistura de todas essas culturas -
Todos nossos materiais estão escritos em Japonês, romaji, Tupi-antigo, português e inglês :)

Com uma hidratação mais eficiente no inicio do processo, o método Sena dispensa a filtração final.

NOTAS DE DEGUSTAÇÃO DO CAUIM

Muitos nesse ponto se perguntam: 'Muito bem, qual é o gosto do CAUIM?' - ai vai…


———

ASPECTO VISUAL
Tons amarelo palha, com brilhos esverdeados vivos;

NO NARIZ
Aromas de mandioca fresca se mesclam a lances de abacaxi, pêra verde e uva Chardonnay;

NA BOCA
Notas de banana verde e amêndoas, evolui para raízes frescas e terrosas, corpo leve e equilibrado com baixa alcolicidade;

HARMONIZA 
Com peixes da Amazônia grelhados, filhote na manteiga de garrafa, torteletes de palmito.  
Quando você for ao Café da Casa, peça uma dose de CAUIM TIAKAU com Pastelina de Palmito -
A harmonização é perfeita
———


A MARCA TIAKAU

A marca TIAKAU, surgiu num bate papo de um grupo de 65 estudantes de Tupi Antigo, discípulos do professor Eduardo Navarro. Aconteceu num dia quando eu estava muito feliz por finalmente termos chegado ao CAUIM final, quando lancei o desafio de bolarem um bom nome para a marca, de preferencia em Tupi Antigo - Todos calaram-se e nenhum nome surgiu. 

Em meio toda aquela duvida alguém se levantou e disse "Ere'u-potarype amõ mani? T'ÎAKA'U !!!" que significa "Querem beber um pouco de mani (gíria tupi para CAUIM) - e no final exclamou "T'ÎAKA'U !!!" - que significa literalmente "vamos CAUINAR',  'vamos à CAUINAGEM','vamos tomar o CAIUIM', dito no espirito de quem diz, "nós viemos aqui para beber, ou para conversar?".  Pronto, naquele momento o nome já havia sido dado,  T'ÎAKA'U !!!

Alguns críticos sempre me alertam, "você não tem medo de fazer tanto alarde de um produto que ainda não tem registro e nem patente", minha resposta é "Não, pelo contrario, o alarde é necessário!

Quanto mais gente conhecer esse projeto, melhor é!  Se o CAUIM não cair na graça do grande publico, provavelmente a iniciativa de se produzir o CAUIM semi-industrial se perca para sempre - se eu morrer hoje, talvez o CAUIM morra comigo e D'us lá sabe quando poderá ser renascido novamente".

É evidente que pretendemos patentear o produto e comercializarmos, para recompensar financeiramente nosso grupo desenvolvedor, para que no mínimo possamos recuperamos todo o investimento de trabalho, viagens que inclui varias internacionais, incluindo as caras viagens ao Japão, bem como todo nosso esforço dedicado, mas a recompensa final acaba sendo da cultura brasileira, com o legado de mais uma bebida nacional que lindamente representa nossa essência.
O encontro das duas mentes mais inventivas do mundo no começo do século passado .

Lembro de um artigo de Herbert Wallace escrito em 1902, relatando o encontro de Santos=Dumont e Thomas Edison, no qual eles conversavam sobre seus inventos, o consenso foi que Dumont fazia seus inventos pensando no bem mundial, com uma certa leitura “Wiki”,  inspirando os próximos inventores a usarem suas idéias livres de patentes (a humanidade precisou de quase 100 anos para entender o conceito de inventos sem patente e softwares abertos como fonte de prosperidade) enquanto que Thomas Edison tinha grande interesse comercial em seus inventos e não dedicava seu tempo a nada que não pudesse ser patenteado com propósito de imediato ou futuro resultado financeiro.  
Luiz Pagano brindando com amigo - T'reikokatu!!! (saúde em Tupi Antigo)

Eu e o grupo de entusiastas não inventamos o CAUIM, nós somente o trouxemos de volta ao cenário cultural, nosso interesse é fazer com que num futuro próximo, inspiremos a surgirem CAUIMs de diversas culturas, que possa existir nas prateleiras das lojas de bebidas lindas garrafas do Masato dos Ashaninkas, ou Tarubá em lata, produzido por etnias de Santarem-PA, ou, até quem sabe, o caro Caxiri dos Waiãpis da Amazonia, todas elas variações do mesmo fermentado de mandioca, vendidas ao grande publico e até mesmo sendo exportadas, com métodos industriais modernos, preservando sua essência religiosa ancestral, sem perder o aspecto tradicional, e ainda gerando recursos para tribos, muitas delas em vias de extinção de forma sustentável e consciente.

Temos que aprender e a respeitar nossas tradições e concilia-las à modernidade, tal como fez o Imperador Meiji e suas medidas politico-económicas, proporcionando a cultura milenar japonesa uma elegante forma de chegar prosperamente aos séculos vindouros. Nós também podemos começar mudar a nossa cultura, talvez atreva da bebida alcoólica, podemos ter diversas marcas e tipos de CAUIM e suas variantes, assim como já acontece com as mais de 50.000 marcas de Saquê no Japão.
Luiz Pagano recebe a bênção do 'Morubixaba'(Cacique) Paulo da etnia Wassu Cocal do Alagoas - Nós temos o papel de promover uma ponte entre os dois mundos, o rico ancestral indígena e o cosmopolita urbano brasileiro. 

Nesse sentido um dos trabalhos mais importantes do projeto CAUIM TIAKAU é o do grupo de estudos de lingua e tradição ancestral brasileiros, com a ajuda do professor Farias Betio, Emerson Costa e outros estudantes do Tupi Antigo, Nheengatu e línguas gerais diversas, discípulos do professor Eduardo Navarro da USP, com mais de 80 eruditos e entusiastas que tentam resgatar o Tupi Antigo, e traze-lo como idioma chave para as mais de 305 etnias ancestrais que habitam o território brasileiro.

Assim sendo, o primeiro passo dado assim que tivemos a bebida pronta, foi levar para a aprovação e benção da espiritualidade ancestral indígena. É sabido que muitos indígenas cobram para abençoar projetos, sejam eles quais forem, é evidente que nós não queríamos ter essa "prestação de serviço remunerada", a liderança espiritual indígena teria que aprovar nosso projeto pelo que ele é, não pelo mero pagamento.
Festa do CAUIM TIAKAU - a esquerda abaixo, professor farias com Maximo Wassú, acima professor Farias com Iradzu da etnia Kariri Xocó, à direita acima 'APPUH', recinto onde o cacique performou a benção ao CAUIM TIAKAU e ao fundo, Morubixaba Paulo da etnia Wassu Cocal segurando uma garrafa do CAUIM TIAKAU.

Luiz Pagano relata sua experiência com o mundo ancestral - "No começo parecia impossível ter esse passo fundamental, a benção do plano espiritual - as tribos são distantes e inacessíveis e sua cultura muito fechada, restrita ao povo com sangue indígena. Certa vez, numa de minhas viagens pelo Brasil, encontrei um integrante da tribo Gajajara e comentei com ele sobre o projeto do CAUIM e minhas dificuldades, ele me disse que as coisas tem hora certa para acontecer, o trabalho se desenvolve primeiro no plano espiritual e o que aparece na terra é somente o reflexo do plano superior, tal como o broto esconde suas raízes na terra, disse ainda que as manchas de vitiligo que tenho nos antebraços e mãos (condição da qual sou portador) são maculas da mandioca que já venho trabalhando no mundo espiritual junto a Mani, deusa albina que da mãe mandioca e que não forçasse nenhum encontro, pois tudo aconteceria de forma natural e fluida em seu tempo certo, é de fato foi assim que ocorreu.

Certa vez visitando um Shopping Center em Osasco a convite do professor Farias, que queria encontrar seus amigos indígenas, passamos muito bons momentos ao lado de Máximo Wassu, Morubixaba Paulo da etnia Wassu Cocal, Iradzu da etnia Kariri Xocó, Pedro Pankararé, e eu levei o cauim para que eles experimentasse. O Cacique Paulo da etnia Wassu Cocal do Alagoas logo se prontificou a abençoar o CAUIM TIAKAU, dizendo que esse projeto é muito importante por se tratar da ponte fundamental entre os dois mundos (povos indígenas ancestrais e o povo brasileiro em geral), a bebida alcoólica mescla cultura e espiritualidade, unido mundo material com mundo espiritual. O cacique também está empenhado nessa obra de unir as culturas, ele luta por constituir uma reserva multiétnica em Guarulhos, e está se dedicando à igreja Anglicana, entidade da qual pretende ser o primeiro pastor de ascendência indígena, sem deixar que a cultura ancestral da floresta seja subjugada aos padrões religiosos anglicanos, como aconteceu no nosso passado histórico, no qual jesuítas obliteraram suas próprias crenças para forçadamente adotarem a liturgia jesuíta.

---

Como disse no começo, nossa operação de produção e comercialização do cauim ainda é embrionária, não se pode registrar uma marca de um produto sem categoria, e dessa forma, tudo que nos impede de termos o produto em pleno mercado, são as dificuldades burocráticas e limitações de investimento, pois no que depender de qualidade, vontade e sabor, o produto é incrivelmente viável e prazeiroso.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Heróis da Bruzundanga a Primeira HQ Tupi Pop

Luiz Pagano no lançamento da revista 'Os Heróis da Bruzundanga', no ultimo dia 17 de dezembro, na livraria Monkix da Vila Madalena
A cultura Tupi-Pop sai do campo virtual e passa a ser prototipada nesta primeira edição da História em Quadrinhos 'Os Heróis da Bruzundanga', na qual heróis brasileiros, baseados nas obras de Lima Barreto combatem o crime na turbulenta terra da Bruzundanga. A trama se passa no ano de 2093, numa linha do tempo alternava na qual Policarpo Quaresma não morreu e o presidente Floriano Peixoto adotou as reformas por ele apresentadas duzentos anos atrás, o Brasil é uma terra de muita prosperidade cuja cultura é cultuada no mundo todo.

read this article in English

O lançamento da HQ ocorreu no ultimo dia 17 de dezembro, na livraria Monkix da Vila Madalena.

Não foi a toa que as obras de Lima Barreto servem de pano de fundo aos Heróis da Bruzundanga, a genialidade de Barreto é atemporal em mostrar o amor pelas coisas do Brasil, com seu bom povo de coração humilde e atitude pacifica, que mal se vê capaz de empenhar sua força no conflito contra impunes vilões, de caráter retorcido, presentes em nossa vida cotidiana.
Tarde de autografos na livraria Monkix. a direita, Hot Toys articulados do cangaceiro Assum Preto, a india Mani e descendente de Policarpo, o Visconde Quaresma.

 Os Heróis da Bruzundanga surgem no já extenso panteão de deidades do mundo comics, trazendo a inusitada e quase impossível tarefa de resgatar a dignidade de sua gente. Tal qual no livro Os Bruzundangas de 1923, Lima Barreto pinta o Brasil como o país perfeito, de economia invejável e infra estrutura copiada pelas principais nações do mundo, muito diferente da sofrida Bruzundanga, com suas graves mazelas - este sim claramente baseado no Brasil real.

 Ocasionalmente vemos romances nacionais transformados em HQs, mas é muito raro vermos uma HQ que tome como base para criação de seus heróis, historias da literatura e da tradição oral dos mais de 300 povos brasileiros, traduzidos em situações de perder o fôlego, por este incansável estudioso dos temas brasileiros. Pagano narra com estilo próprio a saga de heróis improváveis e charmosos, vilões poderosos e misteriosos, vivamente mal-intencionados e de poderes praticante insuperáveis. O traço acadêmico, que Pagano domina com maestria, aparece aqui na forma de traços de mão solta, simples e trêmulos, como mero expediente refinado de um grande contador de historias.

Alem da Monkix, a obra ainda pode ser encontrada nas livrarias geeks da cidade de São Paulo, bem como na loja virtual PopUp Draw

Divirta-se

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

A Antropogistonia pode ser tão perigosa quanto um holocausto nuclear

Antropogistonia é a paralisia das pessoas no planeta Terra, uma lacuna entre a ação e a ideação,
 que poderia nos levar a aniquilação total
Todos nos sabemos a importância de reciclar o lixo, de combater a dispersão indiscriminada de CO2 na atmosfera e o quanto a vida nesse nosso pequeno planeta é frágil, e ainda assim, nos mal começamos a desenhar políticas que garantam a qualidade de vida para as nossas futuras gerações.

read this article in English

A devastação que os antigos Maias provocaram em suas terras, junto com a derrubada indiscriminada de arvores para construção de seus templos, provocaram uma seca centenária, que os fizeram responsáveis diretos pela degradação de sua micro região, cuja o preço foi a extinção de sua própria civilização. Os Rapa Nui da ilha de Páscoa e os povos da mesopotâmia, também cometeram o mesmo erro.  Diferentemente desses povos, nos temos a exata consciência dos riscos de nossas atitudes e ainda assim, continuamos no curso da autodestruição.

A pergunta que se faz é “Por que não paramos agora com atitudes autodestrutivas e criamos regras e estratégias serias, com o propósito de garantir o bem estar de nossas gerações futuras, para por exemplo, daqui a 500 anos?

A biomimética nos dá a resposta, trata-se da Antropogistonia (do grego - οι άνθρωποι της Γης; povo da Terra, e do latim ‘tonus’ do Latin; tensão) termo usado pelo blog Blemya, para descrever a paralisia das pessoas do planeta Terra, devido a tensão causada pelo pânico, que as impossibilita de ter atitudes mediante a um problema evidente.
Um sarué se fingindo de morto - Playing possum

Playing possum (fingir-se de morto tal qual um sarué), ou a imobilidade tônica (em inglês; Tonic immobility - TI) é um comportamento o qual alguns animais se tornam temporariamente paralisados e sem resposta a estímulos externos. Na maioria dos casos, isso ocorre em resposta a uma ameaça extrema, como a de ser capturado por um suposto predador. Esta morte aparente pode ser utilizada como um mecanismo de defesa ou como uma forma de mimetismo de ultimo recurso, ocorrendo naturalmente numa grande variedade de animais. Tal comportamento ficou popular depois de aparecer num episodio da serie de TV Mythbusters, no qual uma cabra miotônica, condição também conhecida como o bode ‘desmaio-de-cabra’, congela os músculos por cerca de 3 segundos quando o animal se sente pânico, e como resultado o animal entra em colapso, e caia de lado com as patas rígidas.

Outra possibilidade é a de que temos um vão entre ação e ideação, causado pela nossa falta de capacidade de aplicarmos a inteligência em seu âmbito mais completo.  De acordo com Neil deGrasse Tyson, divulgador cientifico da serie COSMOS, levando em consideração o tempo em que surgiu a vida na terra, nossa inteligência é extremamente recente e não faz parte ativa de nossos reflexos de sobrevivência. Ainda não sabemos bem como lidar com ela, um bom exemplo é a forma que a inteligência de milhões de pessoas foram e ainda é ingenuamente manipulada por lideres políticos e/ou religiosos, para os mais diversos fins.

Um predador ao avistar sua presa, instintivamente fica contra o vento, se esconde na relva e cria estratégias de caça bem formuladas por reflexo. No nosso caso, esse vão entre o que sabemos ser o certo por raciocínio, e a efetiva colocação dessas estratégias em pratica nos torna estáticos.

A alegação recorrente é que a profilaxia é cara. Bom então espere para ver o preço dos remédios – medidas de controle ecológico como a despoluição e manutenção de vida nos rios, a responsabilidade das empresas reciclarem suas próprias embalagens apos o uso do consumidor (extended producer responsibility - EPR), entre outras, realmente podem ter custos adicionais que afetem o resultado final das empresas, mas acredite, o remédio pode ser exponencialmente mais caro conforme o tempo passa.

Nos estamos confortáveis em um sistema econômico que surgiu quando o ar, os rios e os mares pareciam ser recursos ilimitados e que jamais seriam alvo de algum dano causado por nós. Seguimos nosso curso míope, com fins evidentemente fatais, esperando que alguém mude as regras do jogo. A triste conclusão que nossa civilização antropogistônica talvez chegue é que talvez isso nunca possa acontecer.

A cura para antropogistonia pode ser encontrada também com a ajuda de estudos biomiméticos, mas nós já estamos conscientes sobre a nossa doença, pelo que podemos ter a chance de curar-nos inserindo-nos, cada um de nós no processo de cura individual da natureza.

sábado, 28 de maio de 2016

Similaridades entre o Cauim e o Saquê

Luiz Pagano visitou tribos indigenas para pesquisar o cauim, acima, Daimon Yasutaka explica a relação do saquê com as religiões Japonesas
As últimas pesquisas sobre o Cauim e como essa bebida poderia ser produzida em grande escala, com elevado padrão de qualidade, gerou uma série de dificuldades, que curiosamente, só obtiveram solução quando foi pesquisado os antigos métodos de produção do saquê.

read this article in English

O saquê e o cauim tem muito em comum, há quase dois mil anos atrás, os  japoneses acreditavam que o saquê só poderia ser produzido se o arroz fosse previamente mastigado por virgens, conhecidas como bijinshu 美人酒 ou ʺas belas mulheres do saquê”, o mesmo acontece aqui no Brasil, tribos de quase todas etnias indígenas, contam com virgens que mastigam a mandioca e as cospem num tacho para que essa possa fermentar.

De fato, a fermentação alcoólica só acontece quando fungos transformam açúcares em álcool, tanto o arroz quanto a mandioca não contem açucares em natura, portanto não estão prontos para a fermentação alcoólica, por isso a mastigação, que não precisa necessariamente de mulheres virgens, torna-se necessária, pois a saliva humana contem uma enzima chamada amilase, que quebra moléculas de amido em açucares.

Tribos indígenas produzindo cauim em comparação com antigos japoneses produzindo o saquê

Os japoneses bebiam saquê antes mesmo de seu primeiro contato com a China. O Kojiki (古 事 記), "Registros de Assuntos Antigos", escrito durante o período Nara (710-94) sugere que o primeiro saquê no Japão foi o chamado Kuchikami no sake, (口噛みの酒) ou "saquê-mastigado-na-boca".

Outras culturas produziram vinhos de amido ao redor do mundo, o Chicha feito de milho na America central, o Cheongju um tipo de vinho de arroz da Coréia e o Hariya, também feito de arroz na Índia.

É bem sabido que muito antes da chegada dos europeus, povos da vindos Ásia já viviam nas Américas. A tribo Zuni tem deixado os antropólogos perplexos com o seu idioma, eles falam um idioma tão semelhante ao japonês que dificilmente poderia ser tida como coincidência.

Algumas palavras semelhantes, como por exemplo; 'dentro' em japonês é "uchi", em Zuni também é "Uchi", a palavra usada em japonês para o 'Sim' é 'Hai' para ambas as línguas, e assim prossegue por diversas outras palavras. Ambos Zuni e japonês usam o verbo como a última palavra de uma oração, uma característica presente apenas em 45% das línguas. Isso pode não parecer muito, mas a língua Zuni é muito diferente dentre outros idiomas falados na região.

Acima - uma roseta Zuni, abaixo - o selo imperial do Japão - Veja como a pintura facial se assemelha às mascaras de kabuki japonesas

Davis; Nancy Yaw; "O enigma Zuni," NEARA Jornal, 27:39, Verão/Outono 1993. NEARA = New England Antiquities Research Association.

Minha pesquisa sobre a produção do cauim, que iniciou-se com a mastigação, levou-se em seguida ao uso de amilase sintética e fatalmente levou-me a usar os fungos, técnica usada no Japão, bem como aqui no Brasil por produtores de Tiquira do estado do Piauí e Maranhão.

De forma metódica fui levado a visitar fabricas no Piauí, Maranhão e por fim no Japão, lugar onde tive um insight iluminador.

Sou formado em negócios internacionais, eu queria conhecer a cultura dos povos do mundo, depois da frustração inicial no mercado financeiro, tenho encontrado nas bebidas alcoólicas o veículo perfeito para me tornar íntimo do cultura dos povos. As bebidas alcoólicas vão muito além de meros fluidos que nos deixam bêbados, elas estão intimamente relacionados com a alma humana.

Tome um vinho da Borgonha e entenda o espírito de seu povo, o vinho está intimamente ligado a religião católica, é parte essencial da eucaristia e com isso, videiras foram testadas em igrejas de diversas partes ao redor do globo terrestre, gerando vinhos que exprimem de melhor ou pior forma nos mais diversos terroires ao redor do mundo.
Luiz Pagano bebendo em uma cabaça - para beber cauim e/ou suas variações os povos indígenas brasileiros seguram a tigela com as duas mãos, num gesto contemplativo como povo japonês faz.

O mesmo acontece com o saquê, que está intimamente relacionado as religiões xintoístas e budistas no japão.

As crenças religiosas tradicionais do povo japonês, tal como a maioria dos povos indígenas brasileiros, são baseadas em uma mistura de respeito pela abundância da natureza, um medo de desastres naturais e respeito por antepassados. O conceito de Deus no Japão não é o de um criador onipotente de todas as coisas como nós acreditamos no ocidente.

De acordo com Daimon Yasutaka, produtor de saquê japonês em sua sexta geração, dono da Daimon Brewery, produtora de Mukune Junmai Ginjo e Tozai honjozo e Nigorion, a frente da Associação Japonesa de Exportadores de Saquês (SEA) o "naorai", o ato de oferecer primeira dose de alimentos e bebidas aos deuses está relacionada com festas anuais, chamados "matsuri" no Japão (idéia muito semelhante é encontrada em tribos indígenas brasileiras).

Viagem de Luiz Pagano ao japão para pesquisar koji - ao lado direito - Luiz Pagano pedindo em templo budista bençãos para o projeto de Cauim

Todo esse rico envolvimento espiritual que percebi com a viagem, junto com o enorme conhecimento acumulado por centenas de anos do povo japonês, me fizeram perceber que as diversas variedades de Koji (麹菌, kōji-kin, fungos usados para substituir a saliva das virgens), junto com as múltiplas particularidades de produção, que vão muito alem da simples quebra de amido para se obter o álcool, (diferentes tipos de koji também tem a propriedade de quebrar proteínas e os lipídios, oferecendo múltiplas opções), alcançando um infinito leque de opções de sabores, que somente o espírito de um artista é capaz de conceber.

Contemplem! Um novo mundo de sabores está prestes a se apresentarem quando as primeiras garrafas de cauim começarem a saírem d diversos produtores brasileiros.

Capivaras mobilizadas para salvar os rios brasileiros

A capivara é uma embaixadora da natureza, ela se atreve a chegar às cidades brasileiras e nadar em seus rios densamente poluídos. Capivara Parade foi criada em 2008 por Luiz Pagano, com o objetivo de chamar a atenção pública para a indiferença que os administradores públicos têm com as águas brasileiras (rios e lagoas) das principais cidades.
No último dia 23 de maio, na cidade de Curitiba, foi lançado o "Capi Parade' no mesmo formato da CowParade de Pascal Knapp, no Palladium Shopping Center, "A capivara é um símbolo de Curitiba, além de ser um animal extremamente adaptável é freqüentemente encontrado em ambientes alterados pelo homem", diz a gerente de marketing Palladium, Maria Aparecida de Oliveira, que decidiu expor 8 capivaras em alusão ao oitavo aniversário inauguração do Shopping.

read this article in English

De acordo com Luiz Pagano, criador do movimento 'Capivaras Parade', a mobilização pública que levou à descontaminação de rios em outras cidades do mundo, como o rio Tamisa em Londres e do Rio Han na Coréia do Sul, não aconteceu no Brasil, o 'Capivaras Parade' foi criado em 2008, com a finalidade de chamar a atenção pública para a indiferença que os administradores públicos têm para águas brasileiras.

Após o incidente de Mariana na qual a represa retendo a água com minério de ferro e dejetos de mineração contaminou rios, no estado de Minas Gerais, e alguns meses antes da abertura de Jogos Olímpicos, com as águas da baía de Guanabara completamente sujas, as autoridades brasileiras realmente mostram total inépcia com respeito ao cuidado básico que os rios e lagos de quase todas as cidades brasileiras devem ter.

E é neste cenário que a capivara aparece como uma heroína, a maior roedora do mundo que habita as florestas do Brasil, corajosamente aparece nadando em rios de cidades altamente poluídas de São Paulo e Rio de Janeiro e andando em grupos ao longo de suas margens.

"A capivara é uma embaixadora da natureza, se atrevem a chegar nas cidades e nadar nos rios e lagos que os homens degradaram, elas parecem mostrar-nos como num protesto, que os rios de nossas cidades não são latrinas, mas espaços para a vida e beleza", diz Luiz Pagano.

A exposição no Shopping Palladium em Curitiba, que começou no dia 23 de maio, vai até 5 de junho. Nos dias 4 e 5 de Junho, as crianças que passam pelo shopping poderão pintar mini-capivaras de gesso. "A intenção do Palladium é a conscientizar as crianças sobre a preservação da natureza, bem como proporcionar uma experiência lúdica de pintura", acrescenta a gerente de marketing.

Concept artist Luis Pagano na abertura do 'Capi Parade', promovido pelo Shopping Palladium - o animal é também símbolo da cidade de Curitiba, uma das cidades mais sustentáveis no Brasil

Para celebrar o Dia Mundial do Ambiente, de 6 de a 12 de junho. a Capi Parade sai em bando para a exposição itinerante em diversos pontos turísticos de Curitiba, no final da ação, as peças serão doadas e leiloadas pelo parceiro da ação, o leiloeiro Helcio Kronberg. O valor arrematado com o leilão, a comissão do leiloeiro bem como o trabalho dos artistas são doções e serão revertidos em cobertores para a Campanha Doe Calor, da Prefeitura de Curitiba realizada por meio do Instituto Pró-Cidadania e Fundação de Ação Social (FAS).

O evento também conta com a participação de celebridades brasileiras, a "Capivara Bi-articulada' teve intervenção artística do arquiteto e urbanista Jaime Lerner, em referência ao ônibus criado por ele, outra usa uma camisa da seleção brasileira de futebol que será autografada após o leilão por Pelé, o rei do futebol, com exclusiva dedicatória ao licitante vencedor.

quarta-feira, 27 de maio de 2015

As malas da Maria Eugenia - Adotada MTV

Maria Eugenia "Adotada MTV" - com seus 'Cameos' nas Malas 
No final de fevereiro, Luiz Pagano foi procurado por sua sobrinha Maria Eugenia Suconic, protagonista do reality Adotada MTV para criar os rostinhos apresentados nas malas e em outros objetos que aparecem na segunda temporada do programa.

“As malas não poderiam só ter as imagens do rosto dela, deveriam ir além. Os desenhos devem carregar constantemente parte da personalidade dela, onde quer que ela vá”, descreve Pagano.

read this article in English

Para dar segmento aos desenhos o artista resolveu adaptar a antiga arte dos camafeus.

O uma das explicações para o termo camafeu, é de que tem origem na palavra "Cameo" ou “Kame'o”, usada na linguagem cabalística para designar um "quadrado mágico", i. e. uma espécie de talismã usado pelas senhoras que encomendavam essas pecas esculpidas em conchas.
Nessa temporada  Pagano adota o grafismo e semiotica das grifes de luxo

A técnica, desde então, vem passando por ressurgimentos periódicos, no início do Renascimento, e novamente nos séculos 18 e 19. O renascimento neoclássico começou na França, com o apoio de Napoleão.

Por que Cameo? - responde Pagano “Não posso usar o termo camafeu, pois nesse caso as conchas, tradicionalmente usadas como base para produzir os camafeus, foram substituídas por malas. Decidi então usar o termo cabalístico ‘cameo’ como uma forma de desejar boa sorte para minha sobrinha nessa nova temporada.

terça-feira, 12 de maio de 2015

Chocolate e Cupulate - desde a floresta amazônica para a mesa dos melhores restaurantes internacionais

Instalações da Dona Nena na ilha do Combu
Quando os clientes sofisticados de restaurante DOM em São Paulo Brasil comer suas sobremesas exóticas feitas com chocolate da Dona Nena, eles não são capazes de perceber a seqüência impressionante de gestão de idéias, recursos e pessoas mobilizadas para que este chegue em suas mesas.

read this article in English

Antes de ir além com essa matéria, é importante que se diga que, para comemorarmos os 15 anos de vida e 7 anos do Blog, após uma longa historia de geração de idéias, nos da Blemya resolvemos sairmos do escritório e irmos para campo, para pesquisar um lindo trabalho de talento, de gente e de ciência - a historia dos chocolates e cupulates da Dona Nena, da ilha do Combu.

Junto com o time de mixologistas da Pernod Ricard criamos o projeto Tembi-u (do Guarani neológico "tembi'uapokuaa" que literalmente significa "saber ou ciência de fazer comida"), com o objetivo de levar elementos de excelência da cultura brasileira para a coquetelaria e gastronomia mundial.
Time do Projeto Tembi-u

Para chegarmos as instalações de Dona Nena, partimos de Belém rumo a Ilha do Combu, pelo rio Guamá, são três quilômetros via voadeiras, uma embarcação típica da região amazônica.

Foi somente em 2006 que Dona Izete dos Santos Costa (Dona Nena), que já vendia objetos com o fruto do cacau, chamadas de biojoias, passou a vender uma antiga receita familiar de chocolates e brigadeiros na praça Batista Campos, em Belém PA.

Tudo ia bem, mas um problema levou Dona Nena a ter a primeira de muitas boas idéias.

A amêndoa do cacau usada para fazer o brigadeiro era moída no pilão, método trabalhoso e cansativo. Ao pensar em algo que pudesse moer com menos esforço, encontrou no moedor de carne uma alternativa viável, com isso não só tinha menos trabalho para fazer as receitas como também verificou que a qualidade da massa havia melhorado muito.

Dona Nena protegendo a caixa de abelhas do ataque das formigas

Ela percebeu que o grão ficava mais fino e o processo, ficara mais higiênico, alem do que, conseguiu dar liga à massa sem precisar adicionar açúcar, criando uma fórmula de chocolate 100% cacau.

A sua nova receita foi descoberta pelo chef paraense Thiago Castanho, do Recanto do Peixe/do Bosque e com isso as deliciosas barrinhas de chocolate embaladas na folha do cacaueiro, cacau em pó, brigadeiros e nibs (granulado de cacau que cobre o brigadeiro) foram para ainda alem do estado do Pará e chegaram ao premiado restaurante D.O.M. do chef Alex Atala,

Caixa de Abelhas no padrão EMBRAPA para abelhas da espécie uruçu-amarela (Melipona flavolineata) 
Ela não parou por ai, desenvolveu também o chamado ‘Cupulate’, barrinhas e brigadeiros feitos não com massa de cacau, mas sim com a mucilagem do cupuaçu. O resultado é de uma sobremesa deliciosa, rica em aminoácidos ainda mais doce que o chocolate e menos amargo.

Até mesmo a frutificação dos cacaueiros e dos cupuaçuzeiros tiveram interferências cientificas, com o objetivo de respeitar o meio ambiente. Dona Nena acrescentou ao seu já grande repertorio de inovações a meliponicultura, num projeto em conjunto com a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), Amazônia Oriental e Universidade Federal do Pará, os recurso vieram de uma financiamento do CNPq.
Abelha da espécie uruçu-amarela (Melipona flavolineata) 

Cinco caixas de abelhas sem ferrão da espécie uruçu-amarela (Melipona flavolineata) foram instaladas na propriedade de Dona Nena, na ilha do Combu.

Alem da disseminação da meliponicultura e à educação ambiental resultante, essas iniciativas mudam para melhor a vida da população ribeirinha ao redor de Dona Nena, “essas abelhas não polinizam só o cacau e o cupuaçu”, afirma ela, “mas também auxiliam na frutificação de outra importante fonte de renda aqui da ilha, o açaí".

Palestra de Luiz Pagano na qual ele explica os desenvolvimentos do projeto Tembi-u 
Segundo o pesquisador Cristiano Menezes, o objetivo  é capacitar a produtora nas técnicas de manejo das abelhas sem ferrão e demonstrar os resultados para os demais moradores da ilha, como forma de atraí-los para a atividade. Além da polinização de espécies frutíferas como o açaí, as abelhas uruçu-amarela produzem mel que pode ser explorado como fonte de renda.

Os próximos passos envolverão visitas para demonstrar as técnicas de alimentação artificial dos insetos. "Como nesta época do ano a produção de mel é reduzida em função da baixa quantidade de flores disponíveis, as abelhas necessitam de alimentação suplementar", explicou o pesquisador Cristiano Menezes. Com o fim do período de chuvas, as florações se intensificam e as abelhas voltam a produzir mel.

chocolate e cupulate embalados na folha do cacaueiro, cacau em pó, brigadeiros e nibs (granulado de cacau que cobre o brigadeiro) 



O Porjeto Tembi-u e Blemya prometem ser o inicio de uma serie de atividades de valorização das pessoas e suas culturas em projetos econômicos viáveis e sustentáveis.

Blemya 15 anos

Historia da Blemya  - Luiz Pagano & Mauricio Bozzi - importação de vodkas da Russia
Веда – русская водка
O que é Blemya? 

No ano de 1271, Marco Polo um mercador veneziano fez uma viagem de 24 anos para a Ásia Central, desses ele passou 17 anos somente na China controlada pelos Mongóis e serviu como um enviado estrangeiro especial para o grande Kublai Khan - Provavelmente, não tinha idéia de que suas aventuras mudariam o mundo.

Ao retornar, Marco não trouxe grandes riquezas pessoais, apenas algumas bugigangas, um punhado de pérolas e presentes para a família e os amigos. Mas o grande tesouro não estava limitado a esses bens materiais - era muito maior do que isso, ele trouxe "Il Milione".

'Il Milione' o italiano para Million, foi o nome do livro detalhando os acontecimentos da viagem. Entre seus contos, os leitores encontrarão relatos precisos dessa terra desconhecida, como a idéia de papel-moeda, as massas, um grande sucesso na culinária italiana até hoje, entre outras coisas.

Mas lá também podemos encontrar alguns eventos sobrenaturais absurdos e um bestiário surpreendente, incluindo homens com características de cães, águias capazes de voar carregando elefantes e 'as Blemias’ - criaturas sem rosto com seus traços faciais no peito.

Nos dias atuais a superfície do planeta não representa mais um grande mistério, em média, mais de 8 milhões de pessoas estão voando por todo o planeta, nós mapeamos cada centímetro quadrado de terra - a globalização, que cresceu maciçamente nos anos 70 e 80 nos trouxe grandes benefícios, mas ainda assim, alguns grandes monstros estão à solta - xenofobia, racismo, discriminação entre os sexos, entre outros.

Ignorância parece ser o líder desses monstros, é o pior de todos juntos - precisamos de um monstro bom, maior, mais forte, capaz de superar a ignorância e todos os outros monstros.

Assim, com a presença deste monstro eficaz, chamado ignorância, criamos um herói mais eficaz: Blemya.

Blemyas pertencem a uma raça que evoluiu dos humanos, há apenas seres assexuados na tribo, e eles são indivíduos de intelecto brilhante e moral elevada.

Todos são tão espertos que conseguiram sobreviver em segredo do resto da humanidade por milênios, ajudaram a humanidade a alcançar o fim das guerras mundiais e nos livrarem de um armagedom nuclear, mas o trabalho que têm pela frente é enorme....

Blemyas tem apenas um ponto fraco, como seres assexuados, a única maneira de fazer a população Blemyas crescer é:

Mantenha todas as situações pacíficas;

Esforce-se para conhecer a si mesmo - descubra qual é a sua melhor versão e seja essa pessoa;

Não há como mudar o passado, mas, a partir de agora, só tome decisões que façam com que você tenha um Karma mais feliz;

Não julgue pessoas e situações;

Veja as coisas da perspectiva da outra pessoa - pratique a empatia;

Levante-se acima;

Mantenha-se sempre atualizado com o Blog Blemya (www.blemya.com)

Você conhece o resto ...

Nossa história 

No ano de 1997, me associei a Mauricio Bozzi, um grande vendedor e um grande amigo para criamos uma empresa especializada na colocação de produtos com algum tipo de dificuldade de introdução de produtos no mercado, a Bozzi & Pagano.

read this article in English

O começo foi bem prospero, tínhamos a representação da linha de fogões industriais da Dynamic Cooking Systems, concorrente da também americana Viking e também terceirizávamos a equipe comercial do energético austríaco Flash Power, enquanto essa categoria ainda não tinha uma legislação especifica no Brasil, os negócios iam de vento em poupa.

Nos sentíamos privilegiados por termos tanta sorte nos negócios, viajamos, estávamos sempre em festas e encima de grande felicidade discutíamos como nosso mudo poderia ser melhor.

O Mauricio era um cara muito empreendedor, com foco em ganhar dinheiro, mas também curtia ajudar amigos em necessidade. Era comum nos juntarmos para fazer volumosas compras em um supermercado para amigos desempregados, ou juntarmos roupas para doações. Em 2008 vivíamos o boom dos energéticos, ganhávamos mais dinheiro do que precisávamos e passamos a dedicar parte de nossos ganhos para ajudar amigos necessitados.

Blemyas ao passar dos anos

Devido a uma certa imaturidade de nossa parte na época, nos escondíamos de nossas esposas esses ‘gastos com amigos’ e cada vez que elas perguntavam sobre onde estava dada quantia em dinheiro que tínhamos ganhado, dizíamos que uma ‘mosntrinha’ o havia devorado, dando a entender que havíamos gasto com uma possível amante.

Algum tempo depois, o Mauricio passou a trabalhar como empregado da Flash Power e eu tentava manter viva a empresa Bozzi & Pagano por minha própria conta. No mês de abril do ano 2000 tentávamos introduzir uma cachaça multidestilada no mercado brasileiro, bem como tentávamos exportá-la para alguns países que tínhamos contato, mas os negócios não iam bem. Ao levar a cachaça para um chef de cozinha francês aqui em São Paulo, sua avaliação foi frustrante:

“Você só está trabalhando com essa cachaça?” perguntou o chef, respondi que sim e ele então rebateu “essa cachaça é horrível, você não terá futuro nenhum com ela. Vou te indicar para uns amigos meus, que iniciam um negocio bem legal aqui no Brasil”.

E assim, numa segunda feira, 08 de maio de 2000 comecei a trabalhar como empregado na introdução da Veuve Clicquot no Brasil. Na quinta feira da mesma semana, fui tomar uma cerveja com o Mauricio para comemorar.

Ele ficou muito contente em me ver trabalhando com essa marca e também com a ajuda que o tal chef de cozinha havia me dado. Na mesa do bar, falavamos também sobre a empresa de cachaça, que tinha poucas chances de sucesso no formato em que se encontrava e cuja um dos sócios era parente de Antoninho da Rocha Marmo, uma criança santificada, responsável por inúmeros milagres na cidade de São Paulo.

Relembramos das diversas pessoas que tínhamos ajudado em épocas prosperas e decidimos que se um dia voltássemos a prosperar de novo, dedicaríamos parte de nossos ganhos para pesquisa e desenvolvimento de mecanismos inteligentes de ajuda humanitária, e assim, nossa monstrinha passaria a viver novamente.

Nesse instante lembrei-me de um sonho que tive, sobre uma viagem que fiz junto com a família de Marco Polo, na qual encontramos uma cidade futurística de Blemias, monstros sem cabeça que tinham suas faces no tórax.

As Blemias faziam parte de uma raça que havia evoluído dos humanos, só existiam mulheres na tribo, eram portadoras de intelecto brilhante. Em meu sonho, elas eram tão inteligentes que conseguiam sobreviver em segredo do resto da humanidade por milênios, em uma cidade nas alturas com um engenhoso projetor de hologramas que disfarçava a cidade inteira em uma montanha.
Sonho com as Blemyas - Agenda de Luiz Pagano, pagina de 11 de maio de 2000

Esse seres haviam ajudando a humanidade a chegarem no fim das guerras mundiais e a se livrarem da guerra fria nos anos 80 e 90 – a reprodução das blemias, mesmo em meu sonho, também era um mistério.

Decidimos que o nome dessa empresa de grande beneficio social seria Blemia, nada mais apropriado para uma empresa voltada ao comercio exterior, tal como Marco Polo foi, ter uma blemia, como mascote institucional. A blemia ou Blemya, como passamos a escrever, seria a empresa cuja mística de bondade em nossa sociedade seria tão grande como a do menino santo, Antoninho da Rocha Marmo.

Em 2007 eu criei um blog para a empresa, Bozzi & Pagano e também para a Blemya, já que não conseguíamos tirar a Blemya do papel ela passaria a viver virtualmente.

Meu sócio faleceu em dezembro de 2010 e nunca conseguimos reviver a Blemya em sua forma plena, ao menos na concepção que tivemos naquela quinta feira. Mas a Blemya vive – o Blog já teve perto de 200 mil acessos e grande parte de nossas idéias, algumas delas pioneiras são amplamente discutidas na internet.
Como vimos, as Blemyas existem apenas em um gênero, o feminino. A reprodução do Blemias não é mais um mistério, isso acontece quando um homem (a forma masculina para 'humanidade') ajuda outros de forma genuína.

Para mim é um grande orgulho continuar com esse projeto, eu tenho certeza que um dia viveremos em uma sociedade de pós-escassez, em que as religiões vão respeitarem umas as outras, dentro do princípio do omnismo, que vamos entender que o conceito de resíduos não existe e que a nossa proposta máxima, a de que somos indivíduos que devem interconectarem-se uns aos outros, neste planeta, com o espírito de fraternidade e ajuda mútua.

Blemia Powered by Google

Google